Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ebooks de culinaria

Ebooks de culinaria

31
Out16

Culinária de Cabo Verde

Edson Bambo

culinária de Cabo Verde é uma tradição étnica que tem aguentado o teste do tempo. Esta cozinha única encontra-se habitualmente nos lares de muitos Crioulos, sobretudo em dias de festa e em ocasiões especiais.

Caldeirada de Garoupa
Caldeirada de Garoupa



Culinária de Cabo Verde: Caldo de Peixe

Ingredientes
  • 6 Batatas
  • 3 Bananas Verdes Grandes
  • 1 Mandioca Grande
  • 1 Colher de Sal Fino
  • 1 Garoupa Média
  • 1 Folha de Louro
  • 1 Cebola Média
  • 1/2 Pimento
  • 1/2 Tigela de Azeite
  • 5 Tigelas de Água
  • 1 Colher de Vinagre
  • Sal q.b.
  • 1 Pedaço de Pimentão Picante
Preparação
Tempere de véspera o peixe com alho, picante, cebola picada, louro, vinagre e pimento. No dia seguinte, polvilhe o peixe com sal e sal fino. Leve ao frigorífico por algumas horas. Refogue pimentão picante, cebola, alho, azeite, pimento e louro numa grande panela. Quando terminar, junte filetes de peixe e deixe refogar mais 5 minutos. Junte 5 tigelas de água e comece a cozer em lume brando ou médio. Ao fim de alguns minutos, junte batatas descascadas, bananas verdes cortadas em três e pedaços de mandioca. Cozinhe em lume brando durante 20 a 30 minutos. Junte mais sal a gosto e sirva quente.
Culinária de Cabo Verde: Feijão Congo, Xerém e Arroz
Culinária de Cabo Verde: Feijão Congo, Xerém e Arroz

Culinária de Cabo Verde: Peixe seco do Sal assado

Ingredientes
  • 1 peixe seco
  • 1/2 dl de azeite
  • 1/2 kg de bananas não maduras
  • Óleo Picante (se necessário)
Preparação
Corte o peixe e ponha a marinar durante 8 a 10 horas. Retire as postas, limpe com uma toalha seca, passe por azeite e asse em carvão.
Acompanhamento:
Banana não madura cozida, temperada com picante. Também pode ser servido com arroz.

Culinária de Cabo Verde: Lulas Guisadas

Ingredientes
  • Azeite para cobrir o fundo da panela
  • Uma rodela de cebola
  • 1 Kg de lulas
  • 1 colher de pimenta vermelha
  • 1 saqueta de pó de Goya
  • 1/2 tigela de água
  • 1/2 tigela de vinho branco
  • Sal q.b.
  • 2 dentes de alho
Preparação
Passe a cebola por azeite. Ponha todos os ingredientes numa panela e coza em lume brando até as lulas ficarem tenras. Cubra a panela e deixe cozinhar em lume brando. Junte especiarias a seu gosto, como salsa, louro, etc. Sirva com arroz branco ou com batatas cozidas.
Cachupa Guisada com Ovo EstreladoCachupa Guisada com Ovo Estrelado

Culinária de Cabo Verde: Gufongo

Ingredientes
  • 4 tigelas de água
  • 1/4 tigela de açúcar
  • 0,5 Kg farinha de milho
  • 1 colher de sal
  • 1/4 tigela de margarina
  • 2 colheres de fermento
Preparação
Ponha água a ferver, com a margarina, açúcar e sal. Retire do lume e acrescente a farinha de milho, mexendo até dissolver todos os pedaços. Coloque novamente ao lume e deixe cozer em lume muito brando durante cerca de 20 minutos, mexendo de vez em quando. Deixe arrefecer para poder pegar na panela e depois junte 2 colheres de fermento, um pouco de cada vez, até que seja fácil de amassar. Faça rolos parecidos com maçarocas (polvilhe as mãos com um pouco de farinha branca para evitar que a massa se pegue). Frite numa frigideira meio cheia de óleo, em lume médio. Volte os lados até ficarem todos dourados. Sirva quente com café. Hmmmmm!
As duas receitas seguintes são cortesia do Projecto de Documentação e Computadorização dos Caboverdianos (DCCV).

Culinária de Cabo Verde: Jagasida

Num panela de barro, refogue 1/2 cebola cortada em 2 colheres de gordura (azeite, banha ou margarina). Junte louro, 1/2 colher de paprica, líquido de uma lata de ervilhas e 5 tigelas de água. Cubra a panela e deixe ferver. Junte 2 tigelas de arroz, sal e pimenta e coza em lume brando até a água desaparecer. Deite as ervilhas, mexendo lentamente até cozerem.

Culinária de Cabo Verde: Monchupa

Na véspera, ponha de molho costeletas e pés de porco de salmoura; 1 tigela de feijão vermelho e 2 tigelas de samp; refogue cebolas cortadas e sal em gordura/óleo em panela de barro; junte 2 folhas de louro, alho, pimenta, 250 g de linguiça e chouriço, água (1,5 l) e a carne demolhada (lave, molhe e corte 1 Kg de couve-lombarda, descasque 3 ou 4 batatas e amasse tudo). Coza durante uma hora e meia, junte 1 tigela de feijão branco, a massa e sal – coza meia hora, junte água – coza em lume brando 1 hora.
Culinária de Cabo Verde: Cuscuz
Culinária de Cabo Verde: Cuscuz

Culinária de Cabo Verde: CUSCUZ de farinha de milho com mel de cana

Ingredientes:
1 pacote de farinha de milho da mais fina
1 colher das de sopa de canela (facultativo)
mel (facultativo)
1 xícara de água morna
1 xícara de açúcar
½ xícara de farinha de mandioca da mais fina
Preparação:
Junta-se as farinhas numa tigela. Borrifa-se a água e esfregando muito bem a farinha para que fique húmida, mas solta.
Acrescenta-se os outros ingredientes misturando muito bem. (Esta operação deverá ser feita com as mãos.)
Coloca-se água no cuscuzeiro e vai juntando a mistura, esfregando-se sempre com as duas mãos. Quando acabar, calca-se levemente com uma colher, tapa-se e leva-se ao lume.
Quando começar a soltar fumaça através da tampa, o cuscuz subiu e portanto está pronto.
Serve-se em fatias em quanto está quente, corta-se com uma faca molhada serve-se com mel.

CUSCUZ de farinha de mandioca

Ingredientes:
1kg de farinha de mandioca
250g de açúcar
0,5l de água
aproximadamente 1 colher de sobremesa de canela.
Preparação:
Mistura-se a farinha com o açúcar e a canela,
Molha-se com água, salpicando e mexendo com uma colher de pau,
Coloca-se em cima de um tacho com água a ferver,
E tapa-se á volta (para não sair o vapor),
Com massa feita de farinha de Mandioca e água,
Coze em lume forte, cerca de 20min,
Desenforma-se e serve-se cortado ás fatias com mel de cana.

Cozinha de Cabo Verde

– Maria de Lourdes Chantre
– Editorial Presença
– 4ª Edição
– Onde aquirir o livro: Cozinha de Cabo Verde na fnac.pt, ou com outro título Cozinha de Cabo Verde – Colecção Habitat no amazon.co.uk
Existe, também, um livro em inglês Cozinha Cabo Verde – American Cookbook de Thomas D. Lopes, na amazon.com

Relacionados


















































































28
Out16

Comida Angolana

Edson Bambo


Comida Angolana
Por Edson Bambo
A Angola
A Angola é um país localizado no continenteafricano com muitos contrastes e tem como língua oficial o Português,utilizando muitos dialetos e tendo algumas línguas nacionais como o Umbundo,que é a língua materna de muitos angolanos. O país sofre com a falta deestrutura nas escolas e falta de professores capacitados, remetendo a situaçãoda educação do país com condições muito precárias.
Apesar de todos os contrastes relevantes dosangolanos, o país manifesta sua cultura através da dança que além da sua condiçãode recreação é utilizada como uma forma de comunicação da religião, cultura etambém como fator social do país.
1319094855463Comidaangolanadsc03967-2
Culinária Angolana
Apesar de todas as precariedades no país, hámuito que se destacar de positivo na Angola, além das inúmeras manifestaçõesculturais, a culinária angolana ganha bastante destaque. A culinária angolana recebegrande influência da culinária portuguesa e também de Moçambique. É marcadatambém pela mistura de métodos da cozinha brasileira, africana e portuguesa.
A culinária angolana é constituída basicamentepor pratos elaborados a base de carnes, porém as carnes são consumidas secas.Outro prato bastante comum são os peixes, que ganham sabor e requintecombinados com ingredientes selecionados, porém, ingredientes simples. Aculinária angolana não faz o uso de molhos sofisticados ou de combinaçõesrequintadas, a combinação é feita com ingredientes comuns e simples, mas quecombinados corretamente dão um sabor especial a culinária angolana. 
 Frango Com Manga e Gingubagalinha-d-angolaimages


Os pratos mais famosos da CulináriaAngolana
Um dos pratos mais famosos daculinária angolana são os funge, um prato típico da região, semelhante àpolenta, feito a base de farinha de mandioca ou milho. Pode ter váriascombinações, como a quisaca, que nada mais são do que folhas do pé de mandiocamaceradas, que são cozidas ou temperadas. Pode ser servida também com peixeensopado ou peixe seco cozido.
Outro prato típico da região é amuamba, que é preparado com galinha, peixe ou carne juntamente com quiabos eóleo de palma, uma especiaria que é sempre utilizada na preparação das comidasangolanas. É muito consumido também na região angolana, feijão feito com o óleode palma, além de muitos outros pratos, que na sua maioria, tem comoingrediente principal a carne acompanhada de um molho especial. 
muamba_galinha_angola_fpasteizinhosz


Restaurantes da Angola
Muitos são os pratos e temperos quegarantem a culinária angolana um sabor excêntrico e especial. Existemrestaurantes especializados nas regiões angolanas e se destacam os restauranteslocalizados na região de Luanda, onde se concentram ótimos restaurantes e ondese pode degustar dos mais gostosos pratos da culinária angolana. Uma ótimaopção para se apreciar a comida e os pratos típicos da Angola, podendo assimexperimentar as verdadeiras iguarias e temperos dessa região.


26
Out16

Gastronomia Moçambicana - Receitas de Moçambique

Edson Bambo

Pratos deliciosos, comida clássica, receitas tradicionais e vários segredos da cozinha de Moçambique.
 
Macarrão com Presunto
Macarrão é um tipo de massa alimentícia com o formato de tubos curtos, em que se incluem os penne, ravioli e os cotovelos. Para hoje trazemos um prato diferente, o Macarrão com Presunto. Acompanhe...
 

Torta de Bombons

Torta é um alimento cozido ao forno, feito com massa de farinha e recheado com ingredientes de sua preferência (doces ou salgados). Diferente muitas outras, como é o caso da torta de maçã, de amora, de pêssego, entre outros, a...
 

Filé de Peixe Grelhado

Um filé é um corte macio, que não contenha espinhas de peixe. Hoje, a nossa equipa decidiu trazer um prato composto por mariscos, simples de ser preparado. Acompanhe o passo a passo do Filé de...
 
 

Cachorro Quente

Cachorro Quente, também conhecido como hot dog, é uma comida típica dos Estados Unidos. É uma sanduíche composta por pão e salsicha.  Eu especialmente aprecio bastante o Cachorro Quente... Aprenda a fazer com a gente.Ingredientes 4 pães...
 

Bolo de Limão

Bolo é um alimento à base de massa de farinha, açúcar e cozido no forno. Os bolos são um dos componentes principais das festas de aniversário, casamento, entre outros... O bolo faz parte das nossas comemorações....
 

Picadinho de Carne de Vaca

Picadinho é um prato tradicional do Arquipélago da Madeira, em Portugal. É tradicionalmente preparado com carne de bovino cortada em pequenos cubos, frita e temperada com alho e pimento(a). Venha aprender a fazer o Picadinho feito...
 

Maionese com Salsichas

Quando falamos de Maionese, nos referimos a aquela combinação feita com ovos e outros legumes, claro sem deixar de acrescentar o molho da garrafa de maionese. Hoje trouxemos um prato muito simples de ser...
 

Bolinhos de Batata com Queijo

Bolinhos são iguarias feitas de massa à base de farinha, arroz, batatas ou pão, contendo carne, peixe, legumes ou doces. Geralmente têm o formato de pequenas bolas, podendo ser alongados. Podem ser cozidos ou fritos. Pra...
 

Misto Quente Frito

Um Misto Quente é um sanduíche quente, preparado à base de queijo e presunto, os quais são inseridos entre duas fatias de pão de forma. É uma receita simples de ser feita. Pode se deliciar...
 

Folhadinhos de Salsicha

Folhadinhos são feitos com massa folhada. De origem Egípcia, está é uma massa leve, não fermentada, feita em várias camadas com copiosa adição de gorduras, usado em doces e salgados. Para hoje, trazemos um salgado diferente, os Folhadinhos de Salsicha....
 

Feijoada de Camarão

A Feijoada é bastante diferente do comum. Alguém já provou Feijoada de Camarão? Pois é, a nossa equipe trouxe para hoje a Feijoada cujo ingrediente especial é o camarão. Aprecie.Ingredientes que irá precisar 800 g...
 

Polvo Frito

Os polvos são mariscos apreciados por turistas em Moçambique. Os moçambicanos tem receio em consumir este tipo de marisco. Hoje temos na nossa gastronomia, o Polvo frito. Aprecie!Ingredientes 2 ovos 2 colheres de sopa de água 1½ kg de...
 

Camarão com Legumes

O camarão é um marisco bastante apreciado na culinária moçambicana. Muitos irmãos meus estão acostumados a comer o camarão frito ou grelhado. Para diversificar a nossa gastronomia, decidimos trazer o Camarão com Legumes para...
 

Pudim de Leite

A receita escolhida pela MMO hoje é o pudim de leite, uma sobremesa bastante simples e deliciosa. Veja como é preparado.IngredientesPara o Conteúdo: 4 ovos 2 latas de leite condensado 1 litro de leite frescoPara Calda: 1 copo de açúcar ½ copo...
 

Rissóis de Frango

Rissóis são salgadinhos em formato de pastel, feitos de massa cozida de farinha de trigo e um ingrediente principal: frango ou camarão. Hoje trazemos na nossa gastronomia os Rissóis de Frango. Aprenda o passo a passo!IngredientesPara a Massa 4 dentes de...
 

Danoninho de Morango

O Danoninho é uma sobremesa que a pequena adora. Ao invés de compramos já pronto, hoje decidimos ensinar a todos como fazer o Danoninho de Morango. Veja!Ingredientes 200 g de iogurte natural 2 caixas de creme de leite 1...
 

Caldo Verde com Linguiça

O caldo verde é uma sopa típica do norte de Portugal. É uma sopa medianamente espessa e de cor predominantemente verde, uma vez que a couve é cortada às tira finas. Pra que o...
 

Brigadeirão

O brigadeirão é um doce típico da gastronomia brasileira. É um doce bastante presente nas festas de aniversário da criançada, e em alguns chás de bebé.Ingredientes 6 gemas 6 colheres de chocolate em pó 2 latas de leite...
25
Out16

4 razões pelas quais você anda cansado

Edson Bambo



4 razões pelas quaisvocê anda cansado

Nãoimporta o dia da semana você está sempre cansado?
Nãose preocupe é totalmente normal. A ciência explica os motivos do cansaço equase sempre dá uma solução para o problema.

Motivospelos quais você anda cançado:
1-    Vocêdorme até muito mais tarde nos fins de semana, você é daqueles que dormem atéao meio dia nos fins de semana e durante a semana depende do despertador paraacordar cedo?
Péssimanoticia: Isso está destruindo o seu relógio biológico. Acordar no máximo atéduas horas depois do horário habitual de segunda a sexta pode te ajudar aresolver o cansaço.
2-    Vocêprocrastina o seu sono? Assistir filmes e séries no horário de dormir éprocrastinar o sono- quem procastina mais, dorme menos- e o resultado é obvio

3-    Vocêcheca o Celular antes de dormir – e as vezes nem dorme
a iluminação do seu smartphone,  ou atémesmo do seu computador, está intimamente ligada com a produção de melatonina,o hormónio do sono. Quanto menos melatonina, menos sono.

4-    Vocedorme o tempo insuficiente, o resultado é obvio.

 Por Edson Bambo
24
Out16

40 HÁBITOS EUROPEUS QUE VOCÊ DEVIA CONHECER

Edson Bambo
europeus

Os alemães são pontuais com os compromissos, obedecem rigorosamente a lei e agem com precisão em suas tarefas. Tentar dar uma de esperto e achar que pode jogar bituca de cigarro em qualquer lugar é atrair a antipatia deles.
Alemães e outros europeus tem um hábito difícil de entender para muitos brasileiros: não confundem relações pessoais com relações de trabalho. A familiaridade de uma festa é logo substituída pelo formalismo e as exigências do trabalho no dia seguinte.
Bater em crianças pode trazer sérios problemas na Alemanha. Seja na escola ou em casa, a pessoas que agredir uma criança correrá o risco de ser presa.
Alemães odeiam ruídos em excesso. Festas barulhentas podem levar um anfitrião para a polícia. Exige-se silêncio absoluto em casa entre as 22h e 6h.
As principais regiões da Bélgica são Valônia e Flandres. Confundir ou fazer comparações entre valões e flamengos são gafes imperdoáveis. Isso ocorre porque os habitantes desse país se consideram primeiro valões ou flamengos antes de belgas.
Belgas adoram batatas fritas. Existe até um museu dedicado a esse tipo de alimento no país.
Assim como na Holanda, Alemanha, Reino Unido e outros países, os belgas detestam atrasos. Eles ficarão incomodados se você se atrasar para um compromisso, ainda que seja um atrasinho de cinco minutos.
Pessoas que se vestem com desleixo são muito mal vistas pelos espanhóis. Eles não só reparam como julgam os outros pelo seu modo de vestir.
Espanhóis tem o hábito de fazer piada sobre os habitantes de outras regiões do país (os andaluzes, por exemplo, dizem que os catalães são avarentos). O problema é que eles consideram desrespeitoso que um estrangeiro se expresse da mesma maneira. É melhor fazer-se de desentendido se estiver fazendo intercâmbio ou mesmo morando no país.
A culinária espanhola varia de região para região, mas se há algo que todas tem em comum é o alto consumo de azeite (produto típico da cozinha do Mediterrâneo). O prato mais representativo da Espanha é a paella.
Um dos produtos mais consumidos na Espanha (e fácil de encontrar em qualquer mercado), é o jamón – presunto produzido com a pata traseira do porco.
Não existe nada mais comum do que os tapas. É engano pensar que tapas são pratos ou aperitivos específicos. Tapas são simplesmente o nome que os espanhóis deram ao nosso conhecido tira-gosto. O nome tapa vem do verbo tapar, e surgiu durante a Idade Média, quando os copos de vinho eram servidos com uma fatia de presunto, queijo ou morcela por cima.
Os portugueses são grandes consumidores de frutos do mar e peixes, tanto que um dos pratos típicos é a açorda de mariscos. Um dos peixes mais consumidos é o bacalhau, um velho conhecido dos brasileiros. O caldo verde – que é preparado com azeite, linguiça, couve, batatas e caldo de galinha ou de carne – é também bastante popular.
Doces preparados com ovos são comuns na culinária portuguesa. Os mais conhecidos são o pastel de belém e o pastel de Santa Clara. O pudim abade de priscos é uma das sobremesas mais apreciadas.
Os franceses jamais usam palito de dente em público. Eles consideram vulgar.
Ao contrário dos brasileiros, os franceses – assim como a população de vários países europeus, cabe aqui frisar – não escovam os dentes depois do almoço. O máximo que eles fazem é mascar um chiclete.
Uma das coisas que mais chamam a atenção dos franceses e de outros europeus quando estão no Brasil é o habito de pegar sanduíches com guardanapos. Eles pegam com a mão, com o detalhe de que nem sempre tomam o cuidado de lavá-las.
Outro hábito brasileiro que chama a atenção é o banho diário. A maiorias dos povos asiáticos e europeus não costumam tomar banho todos os dias.
Holandeses e outros povos do norte da Europa usam poucas palavras e certamente olharão com estranheza quem fala demais (e usa palavrões, vale aqui ressaltar). O que também não pega bem é o excesso na gestualidade.
As ciclovias são bastante populares na Europa Ocidental. Os holandeses usam bicicletas diariamente, inclusive nos meses mais frios do ano.
Os irlandeses são muito francos. A franqueza é muito bem vista no país. Se eles disserem algo que você não gostou, fique na sua.
Você sabia que existe na Irlanda um feriado chamado Bloomsday, comemorado em 16 de junho? O Bloomsday foi criado com a intenção de homenagear o livro Ulisses, do escritor irlandês James Joyce. É o único feriado em todo mundo dedicado a um livro.
Pode parecer paradoxal, mas os italianos odeiam quem ostenta demais. Falar sobre suas posses, conquistas e feitos pode não ser legal na terra dos automóveis esportivos de luxo.
Evite usar England ou english nas conversas enquanto estiver no Reino Unido. Para os britânicos, o país deve ser chamado apenas de United Kingdom.
Durante passagem pelo Reino Unido, nunca chame uma pessoa que acabou de conhecer pelo primeiro nome. Esse tipo de tratamento só é permitido quando você tiver intimidade com a pessoa. Os britânicos preferem chamar alguém por Mr. Silva ou Mrs. Silva.
Britânicos odeiam pessoas que encostam demais, dão tapinhas nas costas e ficam tocando o seu interlocutor. Falar alto demais também é sinal de grosseria.
Apontar, fazer comentários e principalmente criticar o vestuário alheio é considerado uma grosseria no Reino Unido. As pessoas podem sair de pijama na rua que ninguém dará bola.
Assim como em todo o Reino Unido (e em países como Austrália, Índia e Japão), o trânsito inglês flui na direção contrária ao nosso e o volante fica no lado direito dos automóveis.
O prato mais comum na Inglaterra (e em boa parte do Reino Unido) é o chamado fish and chips, ou peixe com batatas fritas. Os ingleses normalmente compram esse tipo de prato para comer em outro lugar (take away). Os peixes mais consumidos são o bacalhau e o haddock.
Os banheiros de países como Irlanda, Reino Unido e Bélgica, entre outros, não possuem lixeira. Os europeus de modo geral descartam o papel higiênico na privada e depois dão descarga.
Os russos são extremamente patriotas. Comentários negativos sobre o país e sobre a sua relação com o Ocidente é considerado ofensa.
Os russos cuspem bastante (ele tem o hábito supersticioso de cuspir três vezes por cima do ombro, por exemplo), mas não veem com bons olhos os espirros.
Deixar restos de comida no prato de anfitriões russos é considerado rude. Eles certamente se incomodarão com isso.
Assobiar para uma mulher bonita é cúmulo da grosseria e desrespeito. Na Rússia, assobia-se apenas para as prostitutas.
Os romenos tomam sopa quase todos os dias, de preferência acompanhada por um pedaço de pão. Outro prato comum nas mesas da Romênia é a moussaka, uma espécie de lasanha com fatias de berinjela e carne moída (de origem turca, a moussaka é comum em países como Bulgária, Grécia, Sérvia e, claro, Turquia).
Os islandeses tem o hábito (um pouco estranho para nós) de deixar os bebês do lado de fora dos cafés e restaurantes. A impressão dos desavisados turistas é de que as crianças foram abandonadas.
Como apreciam muito a natureza, os suecos não gostam de pessoas que maltratam animais. Noruegueses, finlandeses e dinamarqueses não são diferentes. Tratar mal um animal é correr o risco de adquirir inimizades.
Quer ser xingado por um sueco? Fácil: é só jogar detritos no chão, ainda que seja a bituca de um cigarro. Os suecos não só mantém as ruas limpas como possuem um grande respeito pelo espaço público.
Assim como os suecos, os suíços tem um senso de limpeza exemplar. Para atrair o olhar reprovador dos habitantes desse país, basta fazer coisas como jogar papel ou bituca de cigarro no chão. Não limpar o cocô do cãozinho de estimação é outro comportamento altamente reprovável (detalhe: muitas cidades possuem saquinhos para essa finalidade junto às lixeiras).
Os suíços possuem um armarinho para guardar os sapatos na entrada de casa. É que eles não costumam usar sandálias e tampouco sapatos dentro de suas casa. Mesmo as visitas são obrigadas a tirar o sapato quando chegar na residência de seu anfitrião.































































24
Out16

Os 10 países mais pobres da África

Edson Bambo


OS 10 PAÍSES AFRICANOS MAIS POBRES

A África é um continente conhecido como um dos mais extensos do mundo, ele é constituído por 54 países ou governos oficiais. Apesar de ser considerado como o continente mais pobre do mundo, existem alguns países que têm demonstrado um acelerado progresso económico e que podem ser chamados de países ricos.

Porem existem dentre todos os 54 países da África os 10 mais pobres.  
Esta analise foi feita levando em conta o PIB (Produto Interno Bruto) que representa a soma (em dinheiro) do valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos por uma economia nacional durante um determinado período, neste caso durante o ano passado 2014.  E quanto maior for o PIB, isso indica que esse país é desenvolvido, e podem ser classificados entre países pobres, ricos ou em desenvolvimento.
Classificou se essa lista com base no PIB per capita que é o produto interno bruto, dividido pela quantidade de habitantes de um país.  

 10º Lugar - MALI - PIB per capita: $1,136

O Mali está em décimo lugar na lista dos países mais pobres da África devido ao elevado índice de pobreza, desnutrição crónica, que são grandes problemas que comprometem a saúde da maior parte dos habitantes do pais. A maior parte da população de Mali vive abaixo da linha internacional da pobreza, vivendo com cerca de $1,25 dólares norte americanos por dia.


Mercado de venda de produtos alimentares em Mali

9º Lugar – Madagáscar – PIB Per capita: $972,07

Por ser uma ilha, a sua economia depende em grande parte da actividade turística e um pouco da agricultura e das indústrias de extracção mineira.
Porém o turismo não tem dado muita renda no pais nos últimos anos, com uma queda de cerca de 50% desde 2009. A agricultura representava cerca 29% do PIB de Madagáscar. Actualmente existem cerca de 69% de habitantes de Madagáscar que vivem abaixo da Linha da pobreza.


8º Lugar – Malawi – PIB per capita: $893,84

Desde 2004, mais de 50% da população malawiana vive abaixo da linha da pobreza, sobrevivendo com menos de $1 por dia. Um dos principais motivos de isso acontecer foi porque no ano 2000, o Fundo Monetário Internacional e doadores individuais deixaram de oferecer ajuda financeira ao país devido ao elevado índice de corrupção. Porem depois começou a contrair dividas novamente através do programa Países Pobres do FMI e também pelo Millennium Challenge Corporation dos Estados Unidos. Porém em 2009 os investimentos externos caíram 23% e o Malawi tornou-se incapaz de pagar por algumas importações e hoje ele encontra-se na lista das nações mais pobres de África.

Crianças desfrutando de uma refeição servida em um centro infantil da aldeia

7º Lugar – Níger – PIB Per capita: $853,43

Um dos principais factores que prejudica este país é pelo facto de 80% das terras do país serem parte do Deserto do Saara não oferecendo condições para prática da agricultura.
A instabilidade política também tem prejudicado o país, o que tem criado uma elevada desigualdade social no Níger. 
Família pilando os cereais para produzir farinha para alimentação.

6º Lugar - Republica Centro Africana – PIB per capita: $827,93

Este país tem significativas reservas de minerais preciosos, tais como ouro, diamantes, urânio e petróleo bruto. Entre todos estes, o diamante representa 55% das receitas obtidas pela exportação do país. Conflitos armados são comuns nesse país. Mesmo assim, 62% dos habitantes deste país vivem com menos de $1 por dia, a meta é ver este número a cair até a metade do próximo ano para que atinja os padrões estabelecidos pelo Programa de Desenvolvimento Humano (PNUD).


5º Lugar – Eritreia – PIB per capita: $792,13

Este país é conhecido por ter sido colonizado duas vezes, inicialmente através da rota marítima do Canal de Suez que permitiu a entrada de italianos para colonizar o país em 1869 muito pouco tempo depois de ter sido aberta a rota. E durante a 2ª Guerra Mundial este voltou a ser colonizado novamente, mas desta vez pelos ingleses em 1941. Com esse histórico, o Produto Interno Bruto do país tem sido baixo, com um crescimento de cerca de 1,2 por cento ao longo da ultima década.

Mãe e filho usam o burro para ir a procura de água
4º Lugar – Libéria – PIB Per capita: $716,04
Libéria é um dos poucos países que não foi colonizado pelos europeus, mas sim foi fundado por escravos libertos da América. Os escravos que fundaram este país inspiraram-se no modelo de governação federal aplicado nos Estados Unidos da América. Em 1980 por meio de um golpe de estado, a Libéria ficou sem presidente e entrou em uma guerra civil que causou centenas de milhares de mortos antes do acordo de paz assinado em 2003. E finalmente em 2005 houve a eleição democrática e um consequente período de estabilidade. Mas as consequências da guerra civil ainda existem, e hoje cerca de 85% da população vive com menos de $1 dólar por dia.
Fonte de água usada para todos os fins

3º Lugar – Burundi – PIB per capita: $648,58

Burundi é outro país que constantemente encontra-se em um estado de guerra tribal e civil. Burundi possui uma economia baixa, sistema de educação pobre, justiça pobre. Aproximadamente 93% das receitas deste país vêm da venda exportação de café. Cerca de 80% dos habitantes vivem abaixo da linha da pobreza e 57% das crianças burundeses menores de 5 anos sofrem de desnutrição crónica.


2º Lugar – Zimbabwe – PIB Per capita: $589,46

Zimbabwe não só está como um dos países mais pobres do mundo, mas também tem a menor expectativa de vida do mundo, homens vivem até trinta e sete anos e as mulheres até trinta e quatro anos. Isto deve-se ao facto de que 20,1% da população sofre de HIV/SIDA. Enquanto Zimbabwe está lutando para lidar com seus problemas na saúde, e o governo tenta estabilizar a situação económica do país, por isso que em Janeiro de 2009 o governo fez uma dívida de cem trilhões de dólares.
Crianças recolhem grãos de milho deixados cair por camiões que transportam milho em Masvingo.

1º Lugar – Republica Democrática do Congo – PIB per capita: $394,25

A República Democrática do Congo ficou conhecida como Zaire até 1997 e se tornou o país mais pobre do mundo recentemente em 2010. O país foi devastado pela Guerra desde 1998. Mais de 7 diferentes exércitos estrangeiros estavam envolvidos nesta guerra o que resultou na morte de 5 milhões e meio de pessoas, entre soldados e civis. Um facto interessante é que a República democrática do Congo é o país com mais falantes de francês no mundo com cerca de setenta milhões de falantes da língua, estando em frente da própria França que possui sete milhões a menos.


Crianças comendo arroz e com feijão doados em uma associação.
Fonte da matéria: AfricanRanking

22
Out16

Os 10 animais mais esquisitos do mundo (e ameaçados)

Edson Bambo


Eles não tem a fofura de um urso polar nem o olhar sedutor de um leopardo, mas estes "campeões da feiura" também precisam de sua atenção - eles correm risco de extinção

1. Vulneráveis




São Paulo - A Sociedade para a Preservação dos Animais Feios (Ugly Animal Preservation Society) organizou um concurso online, em parceria com a Associação Britânica de Ciência, para eleger os animais mais feios do mundo. Apesar do tom humorístico, a iniciativa, que ocorre todos os anos, busca chamar a atenção das pessoas para o risco de extinção de muitas destas espécies de "beleza incomum" e que são desconhecidas do grande público. Conheça nos próximos slides dez campeões da feiura que merecem o seu olhar.

2. Peixe-gota




O peixe-gota (Psychrolutes marcidus), uma espécie ameaçada de extinção que lembra um rosto humano de bochecha flácida e amargurado, foi eleito o animal mais feio do mundo. Este peixe, que vive no Oceano Pacífico, entre 600 e 1200 metros de profundidade, corre risco de extinção devido à pesca intensiva por arrasto.

3. Rato-toupeira-pelado





O rato-toupeira-pelado (Heterocephalus glaber) é um roedor encontrado na Somália, Etiópia central e no norte e leste do Quênia. Ele passa a maior parte da vida deixo da terra, nos buracos que cava com seus grandes dentes salientes. Estudos sugerem que esses ratos vivem mais que outros roedores e são resistentes ao câncer.

4. Rã do Titicaca





A rã do Lago Titicaca, localizado nas montanhas dos Andes, tem grandes dobras na pele que funcionam como brânquias, enquanto ela está debaixo d'água. Ela encontra-se em crítico risco de extinção, devido à destruição do seu habitat, poluição, introdução de espécies exóticas e mudanças de temperatura.


5. Lêmure Aye-aye





Este lêmure de pelos negros e olhos esbugalhados vive em árvores da floresta de Madagascar e tem hábitos noturnos. Além da visão otimizada, o aye-aye possui um dedo maior que os demais, que é usado para caçar larvas nos buracos das árvores.


6. Salamandra Axolotl



Com nome de origem asteca, que significa monstro aquático, a salamandra Axolotl não se desenvolve na fase de larva. Por isso, ela não adquire características terrestres e vive sempre no ambiente aquático.

7. Toupeira nariz-de-estrela



Eis um convidado que jamais se atrasaria para o jantar. O nariz repleto de pequenos apêndices, como se fossem tentáculos, torna esta toupeira extremamente rápida na detecção de alimento - ela é capaz de determinar se um objeto encontrado é comestível em 8 milissegundos. Além disso, o nariz ajuda a toupeira, que é cega, a se guiar no escuro de seus túneis.

8. Macaco-narigudo



Esta espécie de macaco é facilmente identificável por causa de seu nariz anormalmente grande. O macaco-narigudo (Nasalis larvatus) vive na ilha de Bórneu. Segundo crenças dos habitantes da ilha, ele tem a missão de iluminar os caminhos da humanidade, dando exemplos de amor aos seus semelhantes e iluminação espiritual.


9. Kakapos



Kakapos são papagaios noturnos que podem pesar até 3,5kg. Incapazes de voar, eles sobem nas árvores. Endêmica da Nova Zelândia, essa espécie corre risco de extinção. Existem menos de 100 Kakapos no mundo hoje.

10. Tartaruga focinho-de-porco




Encontrada em rios e lagos da Austrália e da Nova Guiné, esta tartaruga tem focinho externamente semelhante ao do porco. Pode chegar a 70 centímetros de comprimento e pesar até 20 quilos. Outras características fortes são a carapaça um pouco mole e flexível e patas em forma de nadadeiras.


Esses são os dez animais mais esquisitos do mundo!

curta e compartilhe....

































































































































































































































































20
Out16

10 comidas típicas ao redor do mundo para experimentar antes de morrer

Edson Bambo
Quinta-feira 20 de Outubro 2016
Viagem e comida andam sempre de mãos dadas – isto se você quiser realmente explorar e se entregar ao país que está visitando. É algo que vai além do paladar, pois através dela também se entende a cultura e história local, a memória e até mesmo a religião, as crenças de cada destino.
Pedir por um prato inusitado e fora de seu cotidiano passa a ser uma grande aventura e, muitas vezes, um desafio. Afinal, não é todo estômago que aguentaria, por exemplo, comer gafanhotos.
Confira nossa lista abaixo e separe seus favoritos:
1. Pato de Pequim – servido na China, o prato sofisticado é marcado por um sabor crocante, suculento e adocicado ao ser temperado com alho e molho de hoisin.
pato
pato
2. Escargot – mais conhecido na França, esses caracóis são geralmente consumidos como aperitivo, servidos na casca e cozidos em uma deliciosa mistura de manteiga de alho e salsa.
comida8
comida8
3. Moussaka – caçarola grega que mais parece uma lasanha italiana, são colocadas camadas de ingredientes em um molho de queijo béchamel, com carne moída ou cordeiro e berinjela.
comida9
comida9
4. Masala Dosa – parece mais um crepe, mas essa massa fininha que veio da Índia é feita com arroz e lentilhas, temperada ainda com purê de batatas cozidas e cebola frita, servida com uma dose generosa de chutney com alho.
comida7
5. Flores Zucchini – essas exóticas flores de abobrinha típicas na Toscana são recheadas com um delicioso recheio, talvez ricota com ervas ou mussarela, e então mergulhadas em azeite, criando uma simples massa que lembra um tempurá.
floreszucchini
floreszucchini
6. Teppanyaki – no Japão, existe um show à parte quando se vai consumir comidas feitas na brasa, como carne Kobe, frango ou frutos do mar.
comida2
comida2
7. Laksa – sopa típica da Malásia e Singapura, tem muitas variantes, mas a receita ideal é uma picante sopa de coco cremosa com macarrão, marisco, filetes de peixe, tofu, legumes, um ovo cozido, coentro e pimenta sambal.
comida3
comida3
8. Som Tam – diretamente da Tailândia, essa salada à base de mamão verde desfiado é combinada com um ou todos os seguintes: açúcar de palma, alho, suco de limão, molho de peixe, suco de tamarindo, camarão seco e, muitas vezes, frutos do mar, tomate, cenoura, feijão e amendoim.
comida4
comida4
9. Pavlova – Austrália e Nova Zelândia competem por essa sobremesa que faz homenagem à bailarina russa Anna Pavlova. O merengue clássico leva chantilly coberto com maracujá, morango e kiwi.
comida5
comida5
10. Costela assada – A costela defumada é parte importante do famoso churrasco norte-americano.
comida6
comida6
Fotos: Via, girlservesworld, thechubbycook, spicepeachblog, prietasnotes
Agora imagine provar estas incríveis (e algumas bem bizarras!) iguarias em restaurantes com vistas fantásticas como esses aqui.
20
Out16

COMIDAS EXÓTICAS PARA ESTÔMAGOS FORTES

Edson Bambo

Quintaa-feira, 20 de Outubro de 2016


COMIDAS EXÓTICAS PARA ESTÔMAGOS FORTES



Você é o que você come. Na cultura ocidental, o que você come reflete na sua saúde, em como o corpo absorve carboidratos, proteínas, açúcares e gorduras. Na cultura oriental, a frase tem outro significado. Ao ingerir um alimento, você assume suas propriedades energéticas. Isso explica parte do motivo pelo qual os asiáticos são os campeões em comida exótica (pelo menos aos olhos arregalados dos ocidentais). Do cardápio de chineses, vietnamitas, cambojanos, tailandeses e japoneses fazem parte ingredientes como escorpiões, baratas, besouros, aranhas, morcegos, peixes venenosos, ursos, cobras, pênis de animais e larvas.
Para quem tem estômago forte e espírito aventureiro, comer um espetinho de escorpiões ou o coração ainda pulsante de uma cobra é apenas uma experiência diferente numa viagem de turismo. Mas para os locais, a maioria desses pratos – além ser uma fonte rica em proteína – é como um remédio: eles podem aumentar a vitalidade, a virilidade, a resistência e a libido ou curar dores no corpo, acabar com pedras nos rins, resolver problemas circulatórios, aliviar a tosse e a asma ou diminuir a apatia. No Vietnã, por exemplo, a cobra é um alimento muito apreciado por suas propriedades medicinais, e há restaurantes especializados no preparo do animal. A carne do réptil, dizem, é boa para a vida sexual de homens e mulheres e pode até curar a malária.
O que escolhemos comer depende de onde nascemos e de como somos criados. Mas quase sempre o que nos repele não é o gosto da comida, mas o pensamento de ter de comê-la. E é esse pensamento que nos faz repelir a ideia de comer carne de cachorro, como acontece na China, onde há criadouros de uma raça do animal para abate culinário. Ou que nos faz nausear diante de uma salada de besouros ou de um prato de larvas fritas. Ou ainda que nos faz colocar os bofes pra fora diante de um “crocante” ovo de pata com um embrião de 17 dias. Algumas comidas são tabu, outras, proibidas, outras, ainda, são consideradas “incomíveis”. Ma por que algumas culturas comem peixe cru, mas não comem queijo? O fato é que temos de nos alimentar para sobreviver, e o que é enojante para uns, pode ser uma iguaria para outros ou sua única fonte de sobrevivência.Ou você se recusaria a comer uma suculenta caranguejeira assada se a sua vida dependesse disso?
Nas próximas páginas você vai conhecer 12 alimentos estranhos ao redor do mundo. Mas lembre-se de que alguns deles só são estranhos dentro da cultura ocidental.

1. Tailândia: Ratos

Ratos são uma iguaria servida em ocasiões especiais na Tailândia
Sabe aquele roedor asqueroso do qual costumamos fugir ou então matamos sem dó? Pois o rato é um dos alimentos que vão à mesa dos tailandeses de várias maneiras. No norte do país, os locais costumam assar o bicho inteiro em uma espécie de churrasqueira improvisada e dividi-lo com os familiares e os convidados como uma iguaria muito especial – embora tenham à mão também porcos, bois e outros animais comestíveis mais comuns, eles preferem os ratos para ocasiões especiais. Os ratos assados são servidos com molho extremamente apimentado e com uma tigela de arroz grudento. Quem já provou diz que o sabor da carne do rato é parecido com a do coelho.
Segundo a Larousse Gastronomique, os ratos ainda são consumidos em algumas partes da França, mas como qualquer item da culinária francesa, são preparados de maneira requintada. No Vietnã, a procura é pelas ratazanas prenhas. Em vez da rata, os vietnamitas preferem seu fetos que, dizem, têm a carne muito mais saborosa, aumentam a virilidade e podem ser comidos crus. Então tá.

2. China: Sopa de ninho de pássaro
Ninho de passarinho antes de ir para a panela (alto), e a sopa já pronta para consumo
Você estaria disposto a pagar US$ 10 mil por 1 kg de ninho de passarinho? Mas veja, não é um ninho qualquer, mas um ninho feito da saliva de um tipo de andorinha. Esse ninho é o ingrediente principal de um dos pratos exóticos mais caros do mundo: a sopa de ninho de passarinho. É caro porque as andorinhas asiáticas constroem seus ninhos com saliva por um período de 35 dias, durante a época de procriação. Os ninhos, só podem ser colhidos três vezes ao ano e com muito esforço por parte dos coletores, que se arriscam numa perigosa escalada aos paredões rochosos onde os ninhos são construídos. Essa colheita arriscada só contribui para elevar o preço do produto.
Os ninhos da andorinha asiática são ricos em nutrientes e têm elevados níveis de cálcio, ferro, potássio e magnésio. Acredita-se que a iguaria também tenha valor medicinal, ajudando a digestão, aumentando a libido, melhorando a voz, aliviando as crises de asma, melhorando a concentração e fortalecendo o sistema imunológico. Os ninhos de passarinho são consumidos em sopa. Depois de colhidos, eles são lavados para a retirada de penas e vendidos a restaurantes, onde são servidos cozidos em caldo de galinha. Durante o processo de cozimento, os ninhos soltam uma substância que confere textura gelatinosa à sopa.
Em Hong Kong, o preço de um pratinho da sopa de ninho de passarinho custa de US$ 30 a US$ 100.

3. África e Ásia: Cérebro de macaco

Cérebro de macaco servido na cabeça do bicho no filme ‘Indiana Jones e o Templo da Perdição’
A cena ficou imortalizada no filme “Indiana Jones e Templo da Perdição”: em um jantar repleto de comidas impensáveis, cabeças de macaco são servidas aos convidados com o cérebro exposto para o consumo. Mas em países como a China, a Malásia, o Vietnã, a Indonésia e Tailândia, o miolo do macaco é retirado da cabeça, limpo, cozido e servido com molho temperado em um prato comum. O miolo do animal é rico em gordura, proteína e fósforo, mas muitos o consomem por acreditar que podem ficar mais inteligentes.
Em outros países da Ásia e na África, há quem prefira comer o cérebro diretamente no crânio do animal ainda vivo. Aos olhos das sociedades protetoras de animais, a prática é uma atrocidade. O animal é mantido vivo, preso em uma gaiola de ferro com a cabeça para fora, como numa bandeja, e depois de ter os pelos raspados e a cabeça lava, a tampa do crânio é retirada. Munidos de uma colher especial, os comensais se servem do cérebro ainda pulsante do animal agonizante.

4. China: Pênis de touro, cachorro, cavalo, veado…

Ensopado de pênis de touro
Para os chineses, o pênis de touro é um afrodisíaco com as mesmas propriedades do Viagra. Segundo a tradicional medicina chinesa, se cozido com as ervas certas, ele tem a capacidade de deixar quem o come com um desejo sexual incontrolável. Mas mesmo para os chineses, e embora seja encontrado nos mercados, o pênis de touro é um tabu culinário. Não é todo mundo que se aventura a provar a carne firme, cheia de tendões, do órgão sexual do touro. Assim como é preciso experiência para prepará-lo corretamente. Para que a carne não fique com gosto de urina e dura, o cozinheiro precisa abrir o pênis e lavar muito bem o canal da urina que corre ao longo do órgão, depois, deve cozinhá-lo por, no mínimo, quatro horas e servi-lo como numa sopa.
Em Pequim há um restaurante especializado em órgãos genitais de animais. O Guolizhuang tem vários tipos de pênis (cavalo, boi tibetano, cachorro russo, veado, bode da Mongólia, de touro, de foca, de burro) quatro de testículos no cardápio (de galo, de bode, de boi e de cavalo). Lá os pratos recebem nomes pomposos, como “Cabeça coroada com bracelete de jade”, feito com pênis de cavalos da região de Xin-jiang, e “Dragão na chama do desejo”, feito com pênis de boi tibetano cozido inteiro, frito e flambado.

5. Japão: Fugu

O fugu é o único alimento que não pode ser servido ao imperador japonês
No livro “O Clube dos Anjos”, de Luís Fernando Veríssimo, um grupo de dez amigos promove encontros gastronômicos mensais em que o maior prazer proporcionado pela comida é a possibilidade da morte. A cada novo jantar, o prazer era ampliado pelo envenenamento eminente. E é descrevendo esse prazer que o fugu é apresentado ao protagonista da história por um integrante de uma sociedade secreta japonesa comedora do peixe venenoso conhecido por aqui como baiacu. Sim, o fugu é venenoso. E, sim, muita gente paga uma fortuna para comer a iguaria que pode matar em minutos caso não seja preparada adequadamente. O motivo? É Lucídio, o misterioso personagem do livro, que explica: “O prazer de comer o fugu é triplicado pelo risco de morte. A perspectiva de morrer a qualquer momento, em segundos, produz uma reação química que realça o sabor do fugu”.
O governo japonês calcula que cerca de 20 mortes por ano são causadas pelo envenenamento por fugu. Por isso, o peixe só pode ser preparado por mestres especializados treinados no Japão em um curso de três anos. Neste curso, o especialista aprende a retirar o veneno concentrado nas gônadas, no fígado e na pele do peixe sem que a carne seja contaminada. O fugu contém o veneno tetrodotoxina (TTX), que é dez vezes mais letal que o cianeto e que age como bloqueador do canal de sódio. O veneno mata a vítima por asfixia provocada pela paralisação paulatina dos músculos do corpo (pés, mãos, cérebro, pulmões e coração). Não existe antídoto para o veneno.
Uma refeição completa de fugu custa muito caro. Em alguns restaurantes americanos onde a iguaria é servida, o prato chega a custar mais de US$ 350. No Japão, chega a 20 mil ienes (cerca de R$ 350 reais). Por ser tão cara, a carne do fugu é cortada em fatias finíssimas para aproveitar o máximo – as fatias são tão finas, que é possível enxergar o fundo do prato através da carne. O fugu pode ser comido cru, como sashimi (fugu sashi), arrumado no prato em forma de crisântemo, frito e servido no saquê quente (hire-zake) ou cozido no vapor com legumes (fugu shiri). Quem provou e viveu para contar diz que o sabor da carne de fugu nem é tão bom assim, além de a carne ser um tanto rija.

6. Venezuela, Camboja e Austrália: Tarântulas


Tarântulas, ou caranguejeiras, são comidas assadas, fritas ou na brasa
Aranhas são bichos que mexem com nossos medos mais profundos. Mas venezuelanos, cambojanos e australianos não temem o aracnídeo. Ao contrário, adoram comê-los fritos, na brasa ou assados. Na verdade, não é qualquer espécie de aranha que pode ser devorada pelo homem. A ideal – e preferida – é a tarântula, ou caranguejeira: o bichão peludo que geralmente é usado em cenas assustadoras de filmes tem a maior parte da carne concentrada no abdome.
Antes de consumir a tarântula, no entanto, é preciso despelá-la. Isso é feito colocando-a diretamente na chama, para que os pelos altamente irritantes sejam queimados, evitando que se alojem no pulmão de quem a come. Na Venezuela, a tarântula é consumida assada na brasa, como churrasco, pela população indígena: eles caçam a tarântula gigante na toca, embrulham-na em folha de bananeira e depois a assam na brasa. No Camboja, onde era fonte principal de alimento da população faminta na época do Khmer Vermelho, a aranha é temperada com sal e alho, frita e servida em espetos ou em bandejas. Na Austrália, embora ela seja consumida principalmente pelos aborígenes, a caranguejeira também faz parte de algumas receitas elaboradas por chefs renomados (flambada no brandy).

7. Filipinas: Balut


O balut é apreciado pelo equilíbrio de sabor e textura
Quase todo mundo gosta de ovo cozido. Mas e se o ovo viesse premiado com um feto quase totalmente desenvolvido? Pois essa é uma iguaria que os filipinos vendem nas ruas e adoram comer pelo equilíbrio de texturas e sabores. O balut é um ovo de pata com um embrião desenvolvido de 17 dias – até o ponto de ter penas e bico. Ele é cozido e depois comido na casca, mergulhado em molho de soja e vinagre ou temperado com sal, suco de limão, pimenta-do-reino e coentro. Ao descascar o ovo é possível ver o feto do pato com sua pele translúcida, os olhos e tudo. Quem já provou diz que os ossos da ave conferem à iguaria uma consistência crocante. Não raro, as penas malformadas ficam presas entre os dentes, como um fiapo de manga. Reza a lenda que o balut tem propriedades afrodisíacas. Nas Filipinas, o balut é servido como entrada em restaurantes: cozido, frito em omeletes ou como recheio de tortas.

8. Itália: Casu marzu


Casu marzu pronto para consumo
Entre um “queijo” feito com cabeças de porco, boi e cordeiro cozidos – especialidade sueca – e um queijo de leite de ovelha em estado de decomposição, ganha a iguaria sarda no quesito comida bizarra. Chamado de casu marzu, que significa literalmente queijo podre, o queijo italiano produzido na região da Sardenha é um pecorino maturado por larvas vivas de moscas. Não, você não leu errado. Os produtores do casu marzu introduzem, deliberadamente, ovos da mosca Piophila casei (ou a própria mosca deposita seus ovos nas grandes peças do queijo deixadas em ambiente aberto), cujas larvas promovem uma fermentação avançada do alimento.
A textura do queijo fica macia, quase cremosa, graças ao ácido liberado do sistema digestivo dos vermes que quebra os lipídios do queijo. Quando atinge o ponto certo para ser “degustado”, o casu marzu tem milhares de vermes. Na hora de consumir, o queijo é colocado dentro de um saco de papel vedado, para que as larvas vivas pulem para fora do queijo em busca de oxigênio, produzindo um som como o estouro de pipocas. Quando o barulho diminui e para por completo, é sinal de que as larvas estão mortas e o queijo já pode ser comido.
A retirada das larvas não é uma regra. Há quem prefira ingerir o queijo com os bichos ainda se contorcendo nas fatias de pão sardo umedecido em que ele é servido – como é mostrado no vídeo abaixo. Detalhe: para que as larvas não saltem do queijo para o rosto ou os olhos, quem come o queijo com elas costuma colocar a mão sobre o lanche para evitar ser atingido pelo verme.

O balut é apreciado pelo equilíbrio de sabor e textura
Quase todo mundo gosta de ovo cozido. Mas e se o ovo viesse premiado com um feto quase totalmente desenvolvido? Pois essa é uma iguaria que os filipinos vendem nas ruas e adoram comer pelo equilíbrio de texturas e sabores. O balut é um ovo de pata com um embrião desenvolvido de 17 dias – até o ponto de ter penas e bico. Ele é cozido e depois comido na casca, mergulhado em molho de soja e vinagre ou temperado com sal, suco de limão, pimenta-do-reino e coentro. Ao descascar o ovo é possível ver o feto do pato com sua pele translúcida, os olhos e tudo. Quem já provou diz que os ossos da ave conferem à iguaria uma consistência crocante. Não raro, as penas malformadas ficam presas entre os dentes, como um fiapo de manga. Reza a lenda que o balut tem propriedades afrodisíacas. Nas Filipinas, o balut é servido como entrada em restaurantes: cozido, frito em omeletes ou como recheio de tortas.
9. Brasil: Caldo de turu


Caldo de turu
Prato predileto dos ribeirinhos da Ilha de Marajó, no Pará, o turu é um molusco que vive dentro de troncos de árvores apodrecidas nas águas salobras do mangue marajoara. Parecido com uma lombriga branca e leitosa, o turu tem textura gelatinosa e pegajosa e é consumido pelo catadores cru, com algumas gotas de limão e um pouco de sal. Chega a medir até um metro e meio e tem a espessura de um polegar de circunferência. Quando chega à cozinha dos restaurantes e pousadas da região, já limpos, é consumido como sopa, como caldo (a receita é ensinada sem medidas exatas e com variações que incluem leite de coco e vinagrete de alho, cebola, limão, tomate e azeite), à milanesa ou cru, temperado como o ceviche peruano.
Com gosto muito parecido com o da ostra e do mexilhão, o turu é rico em cálcio (cada 100g contém 153 mg de cálcio), ferro (55 mg/100g), potássio (117 mg/100g) e magnésio (71mg/100g) e tem baixo teor de gordura (0,7g/100g). Os dados são da tabela nutricional de alimentos aborígenes da Austrália, onde o turu também é encontrado e consumido.

10. Brasil: Farofa de içá (tanajura)

E a bundinha da formiga içá vira uma farofa crocante
Não é só do outro lado do mundo que os insetos fazem parte do cardápio humano. No Brasil, a içá (tanajura), fêmea rainha da saúva, é amplamente consumida em áreas rurais do sudeste do país, principalmente no Vale do Paraíba (SP). Comida dos primeiros habitantes do país, os índios brasileiros, a içá acabou caindo no gosto do sertanejo e dos tropeiros. A época ideal da “colheita” da içá são os meses de setembro e outubro, quando as formigas saem aos bandos em busca de comida após o inverno.
Rica em proteínas, a içá tem baixo teor de gordura e alto teor de fósforo e ferro. Ela é consumida torrada ou em farofas com farinha de mandioca grossa, depois de retirados o abdome e as pernas, só sobrando a bunda gordinha da tanajura. Quem já provou diz que a formiga tem gosto de amendoim. Mas há quem diga que ela tem um leve sabor de crustáceos. O que confere à iguaria seu sabor peculiar, no entanto, é a textura crocante da bundinha da rainha que está recheada de ovas.

11. África do Sul: Lagartas fritas

Na África, da lagarta da mopane é consumida frita e acompanhada de um molho
Parece tarefa de reality show de sobrevivência na selva, mas comer um prato de lagartas é algo bastante comum em países do sudeste africano, como Botsuana, Zimbábue, Moçambique, Zâmbia, Namíbia, Angola e Malawi. As lagartas azul-esverdeadas (Imbrasia belina) se alimentam das folhas da mopane, árvore que só ocorre na África. São bem bonitinhas na árvore, mas perdem o apelo depois de colhidas (os galhos são chacoalhados e elas caem no chão), terem o interior espremido para fora, e serem cozidas e secas no sol para reidratação quando necessário. Fonte fácil e gratuita de alimento, a lagarta da mopane contém 60% de proteína e grande quantidade de fósforo, ferro e cálcio. Mas ela tem época certa de colheita: um pouco antes de fazer o casulo, caso contrário, não são tão nutritivas e saborosas. Quem já provou a iguaria diz que o sabor é como o de um papel cartão temperado. Talvez seja por isso que ela geralmente seja servida com um molho. O restaurante Iyavaya, em Joanesburgo, costuma servir a lagarta da mopane frita e acompanhada por molho de tomate apimentado. Ao que parece, a receita faz sucesso, já que o restaurante encomenda 40 kg do verme a cada duas semanas.

12. China: Espetos de insetos


Escorpiões, baratas e cavalos-marinhos dividem as bandejas de espetinhos à venda em barracas de Pequim
Antes da existência dos fast food e das fazendas, os insetos alimentaram caçadores pré-históricos do mundo todo. A entomofagia, ou o hábito de comer insetos, é ainda é praticada por milhões de pessoas em sociedades tradicionais, como a asiática e a africana. São fontes de alimento ricas em gordura e proteína e podem ser encontradas em abundância na natureza. Em países como a China, o Vietnã e o Camboja, os insetos são vendidos em barracas na rua, em restaurantes especializados e em mercados.
Quem visita Pequim encontra a iguaria em bandejas dispostas nos balcões. Lá espetinhos de escorpiões, baratas e besouros dividem o espaço com grilos, cavalos marinhos e estrelas-do-mar. Além de serem apreciados pelo sabor e pela textura, esses alimentos são consumidos por suas propriedades medicinais e energéticas. Segundo os chineses, o escorpião tem a capacidade de esquentar o sangue quando o clima está frio, aumentar a virilidade de quem o come e curar certas doenças. O cavalo-marinho, de aumentar a libido e a capacidade sexual. E as baratas, de aumentar a força muscular.
Vai encarar?





Por Edson Bambo
18
Out16

Como as Pessoas Vestem em Moçambique

Edson Bambo



Como as Pessoas Vestem em Moçambique

COMPARTILHE 



Fonte: http://www.mmo.co.mz/como-as-pessoas-se-vestem-em-mocambique#ixzz4NRjXAY00



Moda emMoçambique, assunto muito delicado! Se  fossemos um povo que não sofre influência de países do ocidente … teria sido muito maisfácil escrever este artigo. Mas a realidade é outra, há bom tempo quesomos um barco à vela! Mas nem por isso, não nos vendemos por completo, aindahá gente interessada em guardar os nossos bons costumes. Por isso, os nossostrajes tradicionais ainda vivem.Tomara que assim seja até sempre!
Decidi escrever este texto por ordem cronológica  desde  o tempo em que os nossos Pais, avós, ”bizas”… desfilavam entre as “passarelas” da Pérola. Mais concretamente entre a década 70 a 90, até hoje, em que a China, Brasil, Nigéria, EUA… determinam o nível de swagger (eles dizem que quer dizer estilo) entre as ruas.

A Moda Em Moçambique Ontem


Devido à sua localização geográfica  Moçambique, muito cedo tornou-se  alvo de “olhares comerciais” . Comerciantes Indianos , Europeus … deslocavam-se  as  grandes povoações para comercializarem os seus produtos trazidos de terras distantes,em troca do que havia em abundância na nossa pátria .
Missangas, tecidos … eram trocados por produtos locais. De certa forma isso foi determinante na modificação e solidificação dos costumes do nosso povo, novas tendências da moda, sobretudo na região norte do pais, lugar onde o povo sofreu grande influência da cultura indiana!  Até hoje, o nosso povo do norte  mantêm um estilo de vida  característico do povo Muçulmano. O xaile é bastante idolatrado, cofiós, túnicas … são todos fruto de influência  Indiana, que tatuaram-se com o andar do tempo, e passaram a fazer parte da nossa cultura! Quanto ao centro e sul do pais, houve  também modificações, a moda seguiu novas tendências!
Surgiram as calças “boca de sino”, feitas de pano (hoje em dia txuna baby), as balalaicas, ”max e mid” (vestidos curtos e compridos, com bolinhas, que eram usados com tamancos) , “não me engoma” (vestidos feitos de tecido amarrotado), ”Ntoveque” ( tecido leve, com que as esposas dos madjon-djones/mineiros, faziam vestidos de nome Plissado) e outras tantas  peças que desfilavam entre as ruas. Nesses pontos do país, houve mais influência europeia. As capulanas eram usadas para fazer vestidos, blusas, calças, lenços… imitando modelos europeus. Havia também bolsas de palha ( Xcupas), brincos, fios e mascotes feitos de missangas e conchas da praia. Inventaram-se os chinelos e sandálias que eram feitas de pneu (Mabor) e napa.

Mas alguns estilos/modelos, foram desaparecendo com tempo, o povo foi ganhando novos gostos, e, ”esquecendo” o que durante duas décadas os embelezou.

A Moda em Moçambique Hoje


Como eu havia dito no início do texto, somos um barco à vela. Facilmente nos deixamos influenciar, por isso fica difícil falar sobre a moda em Moçambique.  Notem só que na maioria das vezes, as tele-novelas brasileiras, vídeos clips Americanos…  determinam o que se veste pelas ruas da Pérola! Duvidam? Se não vejamos:
Lembram-se da Tele-novela “O CLONE”? Com certeza que sim, foi um sucesso em Moçambique! Jovens deixaram-se levar na“ dança da Jade”… Começamos a ver (em abundância), xailes, bijuterias … e todo o tipo de vestuário existente na novela! A capulana passou a ser mais estranha, que os tecidos do “TIO ALLEN”. Mas, felizmente, a “CLONE-MANIA” veio, e se foi (tomara que não volte)! E tantos outros casos que não me vêm à memória.
O que quero dizer é que, os Moçambicanos são bastante influenciados pelo Brasil e EUA na sua forma de vestir. Tudo aquilo que estiver no auge da moda Ocidental…  é imediatamente copiado pelos Moçambicanos. São importadas quantidades extravagantes de peças de roupa, calçado… que são logo esgotados pelos Moçambicanos. Enfim, efeitos da globalização! Nas cidades Moçambicanas, é mais comum ver homens e mulheres vestidos com trajes ocidentais, que  cruzar-se com os mesmos, vestidos com peças feitas de capulana! Raramente vão para lugares requintados com a capulana vestida. A capulana é usada dentro de casa, nos lobolos, casamentos e cerimónias fúnebres. Há dias atrás conversava com uma amiga residente na cidade de Maputo, que dizia-me o seguinte:
 “Saí de casa de capulana amarrada, uma blusa simples e lenço de capulana na cabeça, e as pessoas olhavam-me com espanto, como se eu fosse um extra terrestre”.
 Pois é, é a nossa realidade! E infelizmente trajes tradicionais passaram a ser estranhos no nosso meio, dá-se mais valor às  txuna baby, que a nossa capulana, pastas e chapéus de palha entre outras peças tradicionais. Certamente que há ocasiões que exigem que nos apresentemos de um certo modo, mas creio que não deveríamos nos espantar quando cruzamos com uma/um  bela/o  jovem vestida/o com trajes tradicionais. Mas não digo que seja tudo farinha do mesmo saco, está havendo uma modernização da nossa moda! Tenho visto belas peças produzidas através da Capulana, bijuterias  , chinelos, bolsas, carteiras … peças produzidas em Moçambique, e por estilistas Moçambicanos. Isso vai ajudar na preservação e valorização da nossa cultura.

Por Bamboide

Pág. 1/5

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub